Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Impacto Global - Wrestling e MMA

Com Jorge Botas

A Lion's Tale: Around the World in Spandex

Peço desculpa pelo atraso a "postar" a tal "critica" ao livro do Chris Jericho. E assim sendo, aqui vai disto:

Acabei de ler, já lá vão muitos dias, a “Biblia” de Jericó ou se preferirem apenas a biografia de Chris Jericho “A Lion’s Tale – Around the World in Spandex”.
Como devem imaginar não me vou por aqui a descrever ou transcrever capitulo por capitulo do livro, porque assim muitos de vocês poderiam perder o interesse em adquirir este livro, que devo já dizer foi o melhor livro que li a seguir à biografia dos Motley Crue “The Dirt”. Tal como na biografia, este livro fala da vida de Chris Jericho desde que nasceu (embora ele tenha poucas memórias desse dia) até à sua estreia na WWE em 1999 (No Monday Night Raw, em que interrompeu o The Rock, estando este momento nos 15 melhores da história do RAW, segundo votação (im)parcial da WWE).
Entre as histórias de sexo (poucas, e que acabaram sempre muito rápido…), drogas (quando entrou num quarto que teve de partilhar com RVD, que para além do cheiro a “cócó” (RVD tinha estado no WC) também havia um forte aroma a eucalipto) e wrestling (parece ser o ponto forte de Y2J), há também algumas histórias de Chris Jericho como fã na sua adolescência. Por exemplo, quando foi pedir um autógrafo a Sika dos Wild Samoans (Jericho na altura pensava que Sika não sabia falar inglês porque nunca tinha ouvido os Wild Samoans falar outra língua que não uns “grunhidos”) e foi brindado com um bonito “Fuck off, kid”. Ainda nesse local, Jericho viu o Dynamite Kid e antes que conseguisse abrir a boca para pedir o autógrafo foi também brindado, mas num inglês britânico, com um “Don’t even fookin’ try it”. Foi nesta altura que ele se começou a aperceber que nem tudo o que via na TV era verdade.
Uma outra história interessante tem a ver quando Jericho foi para Calgary treinar no Hart Brothers Pro Wrestling Camp. Foi um dos grandes sonhos de Jericho ser treinado pela família Hart, e quando chega ao local para iniciar o “training camp”, foi recebido juntamente com os outros alunos (onde se encontrava Lance Storm), por Keith Hart que as primeiras palavras que proferiu foram: “Preciso do vosso dinheiro agora antes de avançarmos”, e depois passou-lhes para a mão um contracto para assinarem e onde se podia ler “que tinham de dar 10% de futuros lucros ganham em pro wrestling à Hart Brothers Pró Wtestling”. Sim leram bem, dizia “Wtestling” em vez de “Wrestling”.
Há muitas histórias também do início da carreira no México, onde conheceu um miúdo parecido com o “Chicken Little”, mas que afinal tinha 18 anos e era lutador e viria a ser conhecido com Rey Mysterio Jr. Também foi no México que teve a sua primeira experiência sexual que durou 20…segundos.
Muitas histórias também no Japão onde lutou com Jushin Thunder Liger e Ultimate Dragon, bem com a paranóia de Warlord em comer a quantidade certa de proteínas, hidratos de carbono e calorias por dia.
Jericho também fala no seu ingresso na ECW e WCW claro, e onde ficamos a conhecer algumas histórias e manias de alguns lutadores bem conhecidos, bem como a "Jericho Curse", que não é nem mais nem menos do que uma "malapata" que Jericho tinha cada vez que fazia o primeiro combate numa federação. Combate esse que nunca corria bem e que Y2J ficava logo com a ideia de que aquele bem podia ser o último combate dele nessa federação.
Quem não quiser esperar para que o livro esteja disponível no mercado Europeu em Fevereiro, sempre pode mandar vir através da Amazon americana ou Canadiana, porque aparentemente, a alfândega não se preocupa muito em cobrar “extra” por um livro encomendado dos Estados Unidos.
No início do próximo ano (ainda falta tanto) vou falar um pouco da biografia do Batista, bem como da biografia de Nikki Sixx dos Motley Crue…ou então não, porque isto é um blog de wrestling.
Seja como for, e para finalizar, esta biografia é uma óptima leitura e acaba por mais “light” e “entertaining” que as biografias de Ric Flair, Shawn Michaels, Steve Austin ou mesmo que “Controversy Creates Cash” de Eric Bischoff, que fazem uma abordagem mais séria às suas vidas e mundo do wrestling.